quarta-feira, 16 de maio de 2018

O ponto ideal da carne para a saúde

digestão da carne e cozimento

Se você tem mais de 60 e quer tirar melhor proveito das proteínas, é bom saber quanto tempo deixar esse alimento no fogo

 
Com o passar do tempo, não tem jeito: perdemos músculos. Esse processo se acentua depois da sexta década de vida e pode resultar em perda de força, dificuldade para se movimentar, maior risco de quedas… Uma maneira de driblar o enrosco é garantir o consumo adequado de proteínas. E a carne vermelha é desses alimentos que possuem a versão mais valiosa do nutriente.

Ocorre que o ponto de cozimento faz diferença na sua posterior absorção. É o que demonstraram cientistas da Universidade de Clermont Auvergne, na França. A prova veio após voluntários de 70 a 82 anos comerem, em ocasiões diferentes, um corte malpassado e outro bem cozido. Pois as proteínas da segunda opção foram mais bem assimiladas pelo corpo.

Para a nutricionista e gerontóloga Maristela Strufaldi, de São Paulo, apesar de a pesquisa ser pequena, os achados são importantes. “As proteínas começam a ser digeridas no estômago. Então, a textura e o bom cozimento favorecem sua absorção”, explica.

O ponto da carne

Malpassada: para não correr o risco de contaminação por micro-organismos, o cozimento tem que atingir pelo menos 70 °C.

Ao ponto: garante não só o aproveitamento das proteínas como facilita a mastigação e a digestão.

Passado demais: torrar a carne (ainda mais no carvão) gera elementos cancerígenos. Se curtir, coma só às vezes.
Fonte: Revista saúde

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Uma massa com zero carboidrato

Konjac low carb para emagrecer

Esse tubérculo atende pelo nome de konjac, não conta com o nutriente mais famoso do macarrão e concentra poucas calorias

 
Tubérculo de origem asiática, o konjac mal desembarcou no Brasil e já faz barulho. Pudera. Ele dá origem a produtos como arroz, espaguete e afins, mas com o seguinte diferencial: não possui carboidratos e é rico em fibras.

Para quem deseja maneirar no nutriente e ficar mais saciado, é uma mão na roda. Fora que são apenas 9 calorias em uma porção de 100 gramas.

“Mas cuidado para não compensar esse valor com os acompanhamentos”, aconselha a nutricionista Bianca Chimenti Naves, da clínica Nutrioffice, na capital paulista. Ela sugere recorrer ao molho à bolonhesa feito com tomates naturais ou ao pesto, com um mix de verduras verde-escuras.

Agora, não é preciso renunciar ao macarrão à base de farinha de trigo. “Nenhum alimento deve ser visto como vilão. A massa tradicional pode ser consumida. É só ter moderação”, lembra Bianca. Confira abaixo uma comparação entre um macarrão tradicional e o feito à base de konjac.

Macarrão à base de farinha de trigo

Carboidratos: 28,3 g Calorias: 141 Fibras: 1,5 g

Macarrão à base de konjac

Carboidratos: 0 g Calorias: 9 Fibras: 4 g
Fonte: Revista saúde

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Começa a campanha de vacinação contra gripe em 2018: quem pode tomar

A vacina contra o vírus influenza será distribuída gratuitamente aos grupos de risco. Veja como fica o calendário este ano e tome sua dose!

campanha de vacinação gripe 2018
Esta segunda, 23 de abril de 2018, marca o início da 20ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza – o vírus da gripe. Até o dia 1º de junho, devem ser imunizados idosos a partir de 60 anos, crianças de 6 meses a menores de 5 anos, trabalhadores da saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional.
Pessoas com doenças crônicas (como o diabetes) e outras condições clínicas especiais também devem receber a vacina. Neste caso, é preciso apresentar uma prescrição médica no posto de saúde. Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde (SUS) devem procurar os postos de saúde em que estão registrados para ganhar a dose, sem a necessidade de receita.
Cabe destacar que o resto da população também se beneficiaria da vacina. Mas aí é necessário pagar pela dose na rede privada – o valor fica entre R$ 100 e 200 reais mais ou menos.
 
De acordo com o Ministério da Saúde, a vacina gratuita é trivalente. Ou seja, protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no último ano no Hemisfério Sul, conforme determinação da Organização Mundial da Saúde (OMS), incluindo o H1N1 e o H3N2. Na rede privada, também está à disposição a versão quadrivalente.
Quanto à campanha, só fique de olho nas datas para cada subgrupo. Segundo um informativo do governo de São Paulo que remete à diretriz do Ministério da Saúde, o projeto terá três fases. Veja:
• Etapa 1: a partir do dia 23 de abril, para trabalhadores de saúde, pessoas com idade de 60 anos e indígenas
• Etapa 2: a partir de 2 de maio, para crianças com idade maior que 9 meses e menor que 5 anos, gestantes, puérperas com até 45 dias após o parto
• Etapa 3: a partir de 9 de maio, para pacientes diagnosticados com doenças crônicas, professores, e outros
Além disso, o 12 de maio marca o Dia D – aí todos os grupos de risco serão incluídos. Nessa data, estarão abertos 65 mil postos de vacinação contra a gripe, sendo 37 mil de rotina e 28 mil volantes, com o envolvimento de 240 mil pessoas. Também estarão disponíveis 27 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais. 
 
Fonte: Revista saúde